quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Conto erótico para dormir feliz

-----------
 outro homem. Assistir a amada em pleno ato de libidinagem, se realizando como uma autêntica messalina, demonstrando ao marido corno manso e cúmplice, o quanto ela é uma puta despudorada, agindo com o máximo empenho, para dar prazer ao garanhão comedor e felizardo, por achar um marido desprovido de egoísmo e possessividade, que vê no prazer da querida e amada esposa, a extensão do seu prazer de corno.
No meu casamento já vivenciei situações deliciosas como corno manso, como esta que vou lhes contar. Certa vez, encontrei em meu e-mail uma mensagem bem redigida e com grande teor e cunho extremamente eróticos, enviado por homem de um estado vizinho ao nosso aqui no Nordeste.
Além de longa e bem articulada, tinha algumas fotos do remetente. Uma delas mostrava-o em pé com o caralho duro, ao lado de uma garrafa de refrigerante como se quisesse comprovar o tamanho do dote.
Destacava-se uma cabeçona brilhante e um tronco coberto de veias salientes. As outras fotos mostravam o macho em ação em diferentes posições. Uma na qual ele traçava uma bunda era a mais excitante. Em nenhuma delas, ele deixava aparecer o rosto, mas, para completar ele enviou uma pequena que revelava um rosto de traços simpáticos e muito bem apessoado.
Depois de ver as fotos várias vezes me interessei em ler o conteúdo da mensagem. O missivista caralhudo chamava-se Junior e convidava-nos para passar um final-de-semana em sua casa de praia, no litoral de sua cidade e tudo, por sua conta.
A única exigência era a realização da sua fantasia: uma mulher casada, escolhida por ele, deveria submeter-se totalmente aos seus desejos, com a presença do marido, mas sem interferir, nem nada proibir. Mostrei a carta à minha esposa, perguntando se aceitaria. Gláucia mostrou-se receosa, mas, já com os olhos brilhando com a possibilidade. Mesmo assim questionou:
“-Como poderemos confiar, na seriedade da proposta?”
Tive que usar de bastante tato para convencê-la da idoneidade da oferta. Então enviei a resposta positiva juntamente com algumas fotos da minha tesuda esposa, exibindo suas qualidades de vários ângulos, principalmente da sua bunda, bem recheada, e da linda xoxotinha totalmente lisinha.
Quatro dias depois, recebi a resposta: Junior dava-nos a boa notícia: Gláucia passara na seleção, pois possuía um corpo suculento. Se realmente estivéssemos de acordo com os termos, poderíamos marcar uma data para o encontro.
No entanto, deixava claro que durante nossa permanência em sua casa, minha esposa passaria a ser dele e eu apenas um amigo. Pegamos um avião na quinta-feira à noite. Na sexta-feira bem cedo alugamos um carro seguimos para o litoral daquela bela e bucólica capital nordestina. No endereço marcado, fomos recebidos por uma empregada cujo uniforme era bastante elegante e sensual.
Era fácil deduzir que, além dos serviços domésticos, também propiciava outros prazeres ao seu patrão. Ao nos identificarmos, percebi nela um sorriso malicioso e um olhar cúmplice, o que nos deixou um pouco constrangidos. Minha esposa me confessou que toda aquela situação, a deixava bastante apreensiva, mas também muito excitada, e completou:
“-Estou com a calcinha ensopada.”
A moça conduziu-nos até à sala, onde se encontrava o homem que já conhecíamos por fotos. Apesar de não ser mais nenhum garotão, Junior exibia um porte elegante e atlético, uma simpatia sem igual.
Muito prestativo, ele mesmo quis nos mostrar nossos quartos. Primeiro levou minha esposa ao quarto dele, onde ela ficaria depois indicou um quarto ao lado, que seria o meu. Desconfiei que tivesse sido colocado no dormitório vizinho de forma estratégica, ou seja, para que eu pudesse escutar e, talvez..., até ver o que ele faria com minha mulher.
Desde o início da mensagem, percebi que seu maior tesão era transformar a esposa de outro homem em uma verdadeira puta, e que o marido percebesse e aceitasse isso claramente. Apesar de nunca ter sido claro em relação à puta e a que o marido percebesse, sabia que essa era sua intenção. Após um café muito bem servido e cheio de opções, fomos à praia.
Os dois caminhavam na frente, como marido e mulher e, logo atrás, eu apenas os acompanhava sem me intrometer. Eles deitaram-se em uma esteira e fiquei em outra como um simples amigo. Ignorando a minha presença, Junior e Gláucia abraçavam-se e beijavam-se indiscretamente. A bebida consumida entre uma parada e outra dava mostras do seu efeito, provocando uma excitação nos dois.
Na volta para casa, mostravam-se mais íntimos, trocando carícias mais ousadas. Sua nova amante e, diga-se de passagem, minha esposa, mãe dos meus dois filhos, estava descontraída e muito provocante.
Ao passar pelo quarto deles, pude escutar, através da porta entreaberta, o barulho do chuveiro e o riso dos dois. Senti uma mistura de ciúme e tesão ao mesmo tempo, imaginando minha mulher divertindo-se com outro homem. Depois do almoço, sentamos todos juntos na varanda que dava para os dois quartos.
Os dois beijavam-se de forma escandalosa. Minha esposa agia como se eu nem ali estivesse, me ignorando totalmente. Essa indiferença em relação à presença do marido corno é uma das mais sutis e melhores humilhações para um corno manso aplicadas pela esposa devassa.
As mãos dele percorriam o corpo da minha mulher por cima do biquíni, não deixando uma única parte sem ser apalpada. O calção de banho largo não conseguia esconder o volume do seu enorme cacete endurecido e no qual Gláucia esfregava ora uma mão ora outra. Entraram para o quarto pela porta de vidro da varanda, deixando-a semiaberta. Sentei-me numa cadeira bem próxima à porta, mas não conseguia enxergar nada lá dentro.
Após uns 30 minutos de total silêncio, fiquei angustiado, sem saber o que estava acontecendo. Mudei novamente de lugar em silêncio, ficando em frente à janela. Na posição em que me encontrava não poderiam me ver. Em contrapartida, dava-me uma visão de boa parte do quarto, principalmente a cama. Fiquei sentado sem olhar para o interior, pois o silêncio continuava.
Então comecei a escutar murmúrios, que pouco a pouco se transformaram em respiração ofegante e suspiros. Subiu-me um tesão pelo corpo e passei a tocar uma punheta vagarosamente, enquanto apreciava a cena. Assustei-me quando vi o caralho totalmente duro do algoz da minha querida esposa. Devia dar uns dois do meu, tanto no comprimento quanto na grossura, sem falar na cabeçona.
Fiquei preocupado e imaginando se minha esposa não ficaria amedrontada com tudo aquilo. Mas como eu não podia quebrar o acordo, só me restava ficar olhando o estrago que aquilo faria nela. Ambos estavam de pé ao lado da cama, totalmente pelados e abraçados. Beijavam-se com volúpia, cheios de desejo. Junior, com uma mão enfiada na boceta, enquanto ela esfregava o caralho, que mal cabia em sua mão. Falavam obscenidades estimulantes:
“- Que boceta deliciosa... de quem é esta bocetinha deliciosa...”.
“- Sua..., todinha sua...”.
“- Huuummm... que xaninha peladinha. mais gostosa!...”.
Dizia com a boca cheia de tesão e friccionando o grelo entre os dedos.
“- Esfrega gostoso meu grelo...”.
Ele fez minha esposa ajoelhar-se à sua frente, pondo em seguida o imenso caralho em sua boca. Ela engolia com dificuldades, mamando com gosto naquela rola. Era delicioso espiá-la mamando naquele pé-de-mesa e escutar seus gemidos de prazer... Alucinado com a chupada ele dizia:
“- Chupa, chupa sem parar. Isso, assim... cadela gostosa. Mama no caralho do seu macho.”
A cena e o que falavam levaram-me a um gozo intenso, sem que, ao menos, me tocasse, melando todo o chão de porra. Gláucia nunca havia se comportado comigo daquela maneira. Ela dava vazão ao seu instinto de puta, uma fantasia que muitas mulheres trazem dentro de si, mas não se realizam porque não encontraram maridos cúmplices. Ela se esforçava, mas não conseguia engolir todo o caralho. Procurava cobrir o que coubesse em sua delicada boca.
Segurando a cabeça da minha esposa com as duas mãos, prendia-a com a boca na rola e dizia:
“- Agora, seu macho vai foder sua boca como uma boceta, abra bem essa boca...”.
Submissa, ela abriu para receber a jeba, que mais parecia uma mangueira de duas polegadas. Ela, às vezes, engasgava-se com a pica, tão fundo que alcançavam as estocadas. Os lábios, roçando de cima a baixo toda a extensão do seu tronco, quase o fizeram gozar. Junior afastou a boca úmida e quente da sua rola e fez sua fêmea ficar de pé.
Passou a beijar e chupar seu pescoço, enquanto por trás apertava sua bunda. Sua boca foi descendo, abocanhou um dos seios, molhando de saliva os bicos enrijecidos de tesão. Eu sei que um dos pontos fracos da minha amada são os seios. A cada lambida e carícia nos bicos, ela soltava um gemido contido:
“- Huuummm..., mama gostoso nas minhas tetas..., assim... aaaiii, como você chupa gostoso.”
 Gláucia forçava a cabeça dele, empurrando-a ao encontro dos seios. Ele chupava, mordiscava os bicos, provocando nela um gozo ininterrupto. A essa altura, eu já estava com meu tesão de corno psicológica e visualmente bem estimulado que o pinto de corno estava superduro e já esporrando novamente pela segunda vez com uma punheta.
Ela também mandava uma punheta na rola do outro, enquanto tinha as tetas degustadas. Ele parou de chupar os seios bruscamente e sentenciou:
“- Quero gozar em sua boca.”
Então, minha esposa abaixou-se e de joelhos passou a sugar o caralho, segurando-o pela raiz para não escapar da boca. O corpo dele estremecia. Gláucia esfregava a cabeça do pau pela cara e voltava a engoli-lo num movimento guloso de vai-e-vem com a boca. Ao mesmo tempo, acariciava as bolas do saco e as coxas cabeludas do seu macho. Junior não evitava seus suspiros de prazer. Prendendo-a pelos cabelos, forçava o movimento da boca sobre sua pica. Até que jorrou seu leite quente e salgado:
“- Isso, vagabunda, toma a porra do seu macho, bebe tudo, puta que se preza não desperdiça o leito do macho.”
Com uma das mãos no meio das pernas, Gláucia também gozava em uma desesperada siririca. Ordenhou a picona entre os lábios, até extrair a última gota. Do outro lado do cômodo, aumentei a minha punheta e também esporrei gostoso. Junior deixou o corpo cair na cama de barriga para cima, o caralho ainda continuava duro.
Aquela que já não fazia mais sentido chamar de minha esposa, naquele momento de luxuria, foi para o banheiro. Quando voltou deitou-se ao lado dele, trançando as pernas junto com as do seu macho, como se fossem um verdadeiro casal apaixonado.
Era delicioso vê-la deitada pelada, abraçada com outro homem. Enquanto alisava o caralho dele, adormeceram em repouso. Levantei-me e limpei o chão, cheio de porra. Em seguida, aproveitei para também tirar um cochilo. Acordei com os dois conversando em voz alta como se quisessem ser ouvidos:
“- Está gostando de ser minha fêmea?”
“- Sim..., seu caralho é grande e grosso, do jeito que eu gosto.”
“- Quer continuar sendo minha e vir aqui de vez em quando dar par mim?”
“- Quando quiser, a partir de hoje é você quem manda meu macho.”
“- Quer experimentar meu pau dentro da sua bunda?”
“- Mas ‘ele’ é muito grande.”
“– Quer o caralho do seu macho na bundinha?”
“- Claro que quero.”
A conversa deixou-me mais uma vez tarado e com a pica de corno em riste. Voltei a posicionar-me na janela para observar o que se passava do outro lado. Minha esposa deitada recebia pinceladas de rola na boceta molhada de tesão. Gemendo, ela rogava ao seu carrasco que a penetrasse:
“- Mete esse caralhão na minha boceta! Quero-o inteirinho dentro de mim.”
Naquele instante, temi pela sorte de sua xoxotinha. Junior deu mais algumas pinceladas e posicionou-se para a foda, já com a camisinha no pau. Sem demora, passou a enfiar. De longe, eu vi a expressão de dor e prazer no rosto da minha esposa. Ele enterrava delicadamente o caralho na sua xana. Cada pouco que penetrava, Gláucia vibrava:
“- Aaaiii..., está doendo, você está rasgando minha boceta ao meio.”
Mas se deixava enfiar com a tora, que tinha entrado só até a metade ainda. E pedia mais:
“- Enfia mais, enfia mais, fode tudo.”
 Roberto socava com mais força a cada incentivo de sua vítima. (Aaah, como é gostoso ser corno!) Como é bom ver a própria mulher trepando com outro homem. Que sensação sem igual ver um caralho estranho invadir aquela boceta! Gláucia gozava sem parar, arranhando as costas do seu macho, puxando-o para dentro de si, totalmente entregue ao prazer. Junior começou uma conversa bem sacana para que eu escutasse:
“- Você não goza faz muito tempo, pelo visto.”
“- Assim nunca gozei..., huuummm. Não para, continue metendo.”
“- Sua boceta é minha e meu caralho é todo seu!”
E socava a rola bem firme para dentro dela. Sua penetração foi ficando cada vez mais frenética. Minha esposa arreganhava bem as pernas para atiçá-lo ainda mais:
“- Vaaai..., assim, mete com força. Encha-me com a sua porra gostosa, arromba a sua puta.”
Junior tremia, urrava e pronunciava palavras desconexas. Vai gozar, pensei. E não deu outra: Esporrou demoradamente, inundando a gruta da minha querida mulher. Quando tirou o pé-de-mesa da boceta dela, me surgiu uma visão maravilhosa: a xoxota estava dilacerada, os lábios inchados e um buraco que permanecia aberto depois da penetração. De dentro escorria um fio de porra que melava as bordas da xana e o rego da bunda.
“- Pela primeira vez sinto que fui fodida de verdade!”.
Ela agradecia, acariciando o rosto do macho.
“- Agora você tem um homem de verdade, que vai saciar todas as suas vontades.”
Virou-a de costas com a bunda para cima e abriu suas nádegas, deixando o cuzinho à mostra.
“- Que coisa mais linda..., bem fechadinho!”
Disse, com a voz cheia de tesão.
“- Vou arrombar bem gostoso o seu cuzinho!”
Prometia, entre, carícias e beijinhos no anelzinho dela. Com a ponta do dedo, ele tocava na entradinha do anel, que abria e fechava, chamando o dedo para entrar. Por um momento, descuidei-me e acabei chamando a atenção dos dois com o barulho da cadeira. Escutei ele comentar:
“- Seu marido está nos olhando da janela.”
“- Não importa, o corno vai ter de se contentar com a punheta. Nesses dias serei só sua. Mesmo que não tivéssemos combinado antes.”
“- Meu tesão aumenta muito, sabendo que o seu marido me vê foder com você. Quero que você vá até lá para que ele veja como está toda arrombada e cheia de porra. Mas não quero que deixe tocá-la. Vai, estou mandando...”.
As palavras davam-me enorme satisfação, pois demonstrava que minha esposa tinha virado mesmo uma puta como eu tanto desejava. Corri para o meu quarto para esperá-la. Logo que entrou, toda peladinha, tentei agarrá-la. Mas fui repelido com um empurrão:
“- Sai pra lá..., seu corno manso, o Junior não quer que você ponha as mãos em mim. Só vim te dizer que só agora sei o que é foder de verdade!...”.
E afastou as pernas para mostrar a boceta avermelhada e inchada, resultado das suas fodas até agora. Apontava as marcas dos chupões que havia recebido na bunda, nas coxas, nos seios e no pescoço. Enquanto humilhava-me, meu caralho ardia de desejo de tocá-la. Procurei convencê-la, mas sem sucesso:
“- Deixa eu te abraçar só um pouco?”
“- Se quiser, vai ter de contentar-se em olhar e tocar punheta.”
“- Você fez com ele, coisas que nunca fez comigo.”
“- E vou fazer muito mais. Vai logo com essa punheta, porque quero voltar para o meu garanhão.”
 Não tive escolha, senão descascar uma bronha desesperadamente, enquanto Gláucia continuava a me desprezar, o que só contribuía para o meu prazer. Nem bem esporrei, ela se levantou e foi se retirando, anunciando o próximo capítulo:
“- Agora..., eu vou dar a bunda para o Junior.”
Tentei argumentar que ela não iria aguentar, pois o pau dele era muito grande. Cinicamente e com um sorriso de deboche, completou:
“- Vou dar a bunda nem que aquele pauzão rasgue o meu cu... Afinal de contas, de quem é a bunda?... Quem vai tomar no cu sou eu, então, fique aí quietinho e cumpras seu papel de corno como foi combinado. Além disso, ele já avisou que não saio daqui sem levar na bunda.”
 Junior a recebeu com um ar de satisfação depois de ter escutado tudo aquilo. Mas antes que iniciasse a enrabação, ele mesmo veio até ao meu quarto, entregou-me algum dinheiro e ordenou:
“- Pega o carro e vai até a farmácia comprar vaselina para eu comer o cu da sua mulher. O que tenho aqui não vai dar.”
É incrível como obedeci a sua ordem: calado, submisso, e de cabeça baixa sem encará-lo. Coloquei uma roupa e sai à procura de uma farmácia. No caminho, terminei me perdendo por não conhecer o lugar e acabei me atrasando por quase uma hora. Quando voltei, ele segurava a cadela de quatro com a bunda empinada e as pernas separadas. Nervoso e transpirando muito, por não conseguir foder aquele cuzinho, recebeu-me furioso:
“- Porra, cara..., por que você demorou tanto? Agora, você vai passar a vaselina na minha pica e no cu da sua esposa. E vê se anda logo, seu filho-da-puta.”
Delicadamente, mais uma vez eu obedeci às ordens daquele macho que, convenhamos, sabia muito bem como foder uma casadinha na frente do seu marido corno. Ajeitou a cabeça do pau na porta do furinho da Gláucia, que gemia e pedia ansiosa:
“- Enfia tudo..., aaah, devagar, assim..., aaaiii.”
Eu não acreditava que aquela voz era de minha esposa e que aquele enorme caralho estava invadindo o canal do reto da “minha”Gláucia. Seu rosto contraía-se, apertava os lábios entre os dentes, mas segurava firme e como uma boa piranha, aguentava aquele tronco no rabo.
“- Aaaiii..., devagar. Não, não para.”
Eu permanecia ao lado dos dois, assistindo a tudo passivamente e de pau duro. Depois que passou a cabeça, Junior seguiu sem piedade, enterrando mais e mais, até atolar por completo a rola no rabo dela. Gláucia então relaxou os músculos para desfrutar o prazer de um membro no interior do seu traseiro. Entre gemidos e gritinhos abafados, ela rebolava em cima da pica do macho tesudo e comedor para senti-la inteira no cu. Quando se acostumou com o volume no rabo, pedia para enfiar mais:
“- Mais, mais, quero mais.”
Mas não havia mais o que enfiar. Junior tirava e punha a rola em movimentos rápidos e seguidos; quando socava de volta só as bolas ficavam de fora, batendo contra as nádegas. Minha esposa agora o provocava a meter mais rápido:
“- Hhhuuummm, que dor gostosa. Vai, encha minha bunda de porra.”
Junior não deixou por menos. Reuniu todas as suas forças para golpear violentamente. Com o tira-e-põe, começou a gozar aos berros:
“- Aaahhh..., toma porra, sua puta.”
Olhava para mim com uma cara assustadora e continuava berrando:
“- Estou enchendo o rabo da sua mulher de porra.”
Eu mal dava atenção a ele, entretido com mais uma punheta. A putaria era generalizada, todo mundo gemendo e sacudindo o corpo para fluir o orgasmo coletivo. O jato de esperma que escapou do meu pau foi parar direto em cima dos dois. Achei muito engraçado aquilo, mas não se podia dizer o mesmo de Junior, que me encarava de um jeito como se quisesse me trucidar.
Foram três dias de pura sacanagem. Durante todo o tempo que ficamos ali, fui totalmente ignorado por Gláucia, que agia como se fosse esposa do outro. E isso me satisfazia plenamente, deixava-me realizado como um corno manso. Na volta para Salvador, ela ainda me revelou que o Junior queria que ela voltasse num outro fim-de-semana, quando pretende dar uma festa e gostaria de vê-la metendo com, pelo menos oito de seus amigos. Com certo receio, ela confessou que tinha vontade de aceitar o convite, mas estava receosa da minha reação.
Tranquilizei-a, dizendo que se fosse da sua vontade poderia até ir sozinha. Ela então me agradeceu com um beijo, prometendo que me contaria em detalhes tudo o que viesse a acontecer.
Aqueles que gostaram e se identificaram com o relato, comentem e deixem seus e-mails.
Adoro fazer amizades sinceras e verdadeiras com maridos que pensam e agem como eu...
Abraços a todos os maridos cúmplices e suas esposas deliciosas!

4 comentários:

  1. Quando se decide assumir o modo de vida cuckold é um risco que corremos.
    Anos atrás,minha esposa se apaixonou loucamente por um comedor fixo.Foi uma fase muito difícil da nossa vida,pois ela ficou completamente louca pelo macho.
    E eu só não perdí minha esposa e meu casamento acabou porque o macho foi quem não quis minha mulher.
    Nem assumi-la como esposa,nem como puta,pois ela se sujeitou inclusive a ficar pelo menos sendo puta dele,aceitando que ele comesse as mulheres que ele quisesse.
    Foi uma fase dura,onde eu tive que me sujeitar a ver minha esposa,uma garota inteligente,linda e muito gostosa literalmente rastejando por outro macho.
    Era um macho realmente de qualidade,muito bonito,experiente,sacana e com uma rola enorme.Um macho daquele deixa qualquer mulher de corno apaixonada.
    E ele comeu minha mulher de uma forma que ela se apaixonou completamente.
    Mas,quando eu já não tinha mais o que fazer,o macho foi transferido no seu trabalho para outra cidade e os contatos entre ele e minha esposa foram ficando esporádicos e o relacionamento foi esfriando.
    Hoje,assimilamos a lição e evitamos passar muito tempo com um comendor fixo pra ela para não criar vínculos pois foi uma fase muito difícil da nossa vida conjugal e nosso casamento ficou por um fio.
    Mas,passado tanto tempo,quando estamos transando,basta eu falar naquele macho que minha esposa goza na hora!E goza gemendo e chamando o nome dele.

    ResponderExcluir
  2. Que conto maravilhoso, gozei muito imaginando minha esposa no l uguar da sua ! Sou corno e amo ser , minha esposa adora me colocar no meu lugar de corno ! Parabéns,.

    Se quizer trocar experiência : cornodamilla@outlook.com

    ResponderExcluir
  3. Que belo conto, como gostaria de estar no seu lugar e poder assistir a minha amada sendo possuida por outro amigo e comedor, parabéns

    ResponderExcluir
  4. Desejo conhecer casais liberais ( Heteros iniciantes ou não, adultos, discretos,decididos sem problemas de relacionamento e de preferência realmente casados ou estavéis, que vejam o menage masculino como um desejo comum entre ambos, como tambem mulheres no mesmo perfil que desejem uma aventura onde a amizade e cumplicidade seja preponderante. Sou um homem (solteiro, simples nos habitos, discreto, maduro na personalidade e adulto no caratér, bastante liberal na sexualidade, mas nunca vulgar nas atitutes,gosto de voyerismo e brincadeiras junto com os (a) parceiros, Não curto Drogas,não Fumo, bebidas alcoolicas sem excesso, sou de sp mooca . Desejo fazer amizade e se encontrar casal para relacionamento fixo, com controle de encontros totalmente feito pelo casal. Amizade, Cumplicidade e bom relacionamento e o que busco
    tenho 48 anos ,branco. alto . dote grande e bem grosso , simpatico e muito higienico tel WHATSAP 011969258971 CLARO VIVO 01197737906 ANTONIO CARLOS EMAIL HOMEMMENAGE@BOL.COM.BR

    ResponderExcluir