sábado, 2 de abril de 2016

FETICHE POR PÉS (adm Bruno)

Encontrei na internet e decidi compartilhar com vocês.

Obs: Não curto pés de travesti rsrs Mas todo respeito é sempre bom!

Boa leitura!





"Dra, não estou sabendo o que fazer nem como lidar com a seguinte situação (eu escrevi este desabafo para mim mesma hoje:
Vou começar este dia contando o fato mais triste da minha vida, até o momento:
No domingo, dia 08/11/2009, por volta de 21:30 hrs da noite, em casa, depois que as crianças (C. 5 anos e A.7 meses) dormiam, eu tentei acessar meu email à partir do notebook da Vivo.
Devido à política de segurança da Vivo aplicada ao note, não consegui instalar o aplicativo da Claro para conexão à internet.
Liguei o note do meu marido para tentar utilizá-lo, quando o Windows XP pediu uma senha.
Solicitei que ele logasse para que eu pudesse acessar meus emails e o Orkut. Para minha surpresa total, ele ficou com o semblante super constrangido e se negou a fazer o login, alegando que não gostava que eu usasse o computador dele por que eu sempre pegava vírus através da internet.
Claro que isso não fazia o menor sentido, pois sempre usei meu note e o computador lá de casa e nunca peguei nenhum vírus. Ele é que sempre que usa o computador de casa, pega um vírus que leva, às vezes, uma semana, para ser retirado.
Argumentei tudo isso e não obtive sucesso. Ele continuou resistente a fazer o login e foi para sala assistir Televisão.
Ele me sugeriu a conexão via celular e eu desisti do que ia fazer, diante da minha indignação em não poder usar o note dele.
Comecei a suspeitar que o mesmo continha algo que eu não podia ver. Então, resolvi sentar na frente do note e insistir até que ele logasse para mim.
Ficamos, mais ou menos, 20 minutos neste deixa e não deixa, até que liguei para o Help Desk e questionei sobre como eu poderia fazer para obter o login, alegando que o note era meu e que havia esquecida a senha. O atendente me disse que a senha só poderia ser recadastrada (já que não tinha como recuperá-la, pois isso não havia sido parametrizado pelo Cláudio quando criou seu usuário de acesso) se o Windows fosse reinstalado.
Ao ouvir que o note iria ser levado para laboratório na segunda-feira e o sistema operacional reinstalado, o Cláudio achou por bem logar, pois caso contrário, iria perder uma série de configurações e aplicativos instalados no note.
Logou, alegou invasão de privacidade, disse que isso iria me custar caro e subiu para o quarto.
Claro que diante de tantas suspeitas que já pairavam minha cabeça, iniciei uma investigação em todos os arquivos do note.
Foi quando me deparei com duas pastas cheias de vídeos e fotos de sexo entre homens e travestis, mulheres com mulheres e homens com mulheres.
Fiquei estarrecida ao constatar que o número de vídeos de sexo envolvendo travestis era bem maior que os demais.
Estatística aproximada:
homem x travesti = 106 arquivos
mulher x mulher = 3 arquivos
homem x homem = 1 arquivo
homem x mulher = 8 arquivos
somente travesti = 136 arquivos
Chocada, copiei os vídeos e, sem dizer uma palavra, subi para o quarto, tomei banho e fui dormir. Ele fingia já estar dormindo quando entrei no quarto.
Naquele noite, não dormi direito... é claro. 
No dia seguinte, ainda sem saber direito como lidar com aquela situação, procurei agir quase que normal e fui trabalhar, após executar todas as actividades em relação ao café, lanche do meu filho, mamadeira para a minha filha etc.
Passei o dia todo pensando no que tinha visto e ligando fatos que, até então, formam um quebra-cabeças que, segundo ele, não existe:
Peça 1: Um tempo antes de eu engravidar da minha filha, nosso relacionamento sexual já estava frio e inconstante.
Peça 2: Depois que ela nasceu (05/04/2009), só fizemos sexo duas ou três vezes.
Peça 3: Na última vez que fizemos sexo, ele propôs uma posição vista inúmeras vezes nos vídeos encontrados no note.
Peça 4: Há anos, há uma ligação muito forte dele com o S. (seu chefe) que também é frio e desinteressado na sua esposa.
Peça 5: De um tempo para cá, ele não me elogia nem repara em nada que faço esteticamente.
Quebra-cabeça: Meu marido ficou frio comigo ao assumir-se quanto ao gostar de homens também ou por descobrir que tem um fetiche de transar com travestis.

Jesus! Que triste constatação!
Jamais pensei, depois de 14 anos juntos, saber de algo deste tipo.

Só voltamos a conversar sobre o assunto ontem, quinta-feira, 12/11/2009, quando íamos para o trabalho juntos.
Ele me disse que todos aqueles vídeos tinham algo em comum: pés.
Confidencializou que, desde quando era solteiro, tinha fetiche com pés bonitos e que (para meu estarrecimento completo!!!) admirava pés de travestis também.

Meu Deus! O Senhor que tudo vê e tudo sabe, acompanhou exactamente o que ocorreu comigo naquele momento. Perdi o chão. Fiquei sem reacção. Percebi que jamais tinha me preparado para um momento como aquele.
Então...me calei e deixei que ele descrevesse seu problema que, segundo ele, já é uma doença.
Disse que passa horas do dia pensando em pés e que tem fantasias com eles.
Quando já estávamos na porta do meu trabalho, expus minha percepção: não acreditei que tudo tinha relação com pés, pois ao assistir aos vídeos, só vi sexo anal em comum neles. Em muitos ou quase todos, os pés nem apareciam.
Disse a ele que o fetiche por pés femininos é algo super comum e que não via problemas nisso, mas, via MUITO problema em um homem ter tara por pés de travesti.
Não delonguei muito a conversa e fui para o trabalho, depois de ele me pedir ajuda, sem ainda saber como seria essa ajuda.

À noite, em casa, voltamos a falar um pouco sobre o assunto e eu me coloquei inteiramente a disposição para ajudá-lo no que for preciso. Dei a ele a tranquilidade de me contar o problema que realmente ele tem, mesmo que isso me doa muito e que nos afaste como marido e mulher.
Eu disse que a função de pais jamais se perderia e que, quando nos casamos, o assumi com suas qualidades e defeitos e que levaria isso até o fim, conforme prometi no altar. Somos muito bons como pais e isso não seria afectado.
Contei da minha desconfiança de que na verdade ele sente vontade ou já experimentou relação sexual com homens ou travestis e ele discordou completamente, dizendo que já me contou toda a verdade.

Infelizmente, não consigo acreditar.
Segundo ele, esfriou comigo e não me procura mais porque não dei continuidade ao processo que iniciamos após as dicas do Dr. G. Expliquei a ele que, muitos casais vivem anos com sexo básico e que o fato de não termos sexo oral ou posições mirabolantes na ora da relação, não era suficiente para que ele não usasse do seu instinto masculino e me procura nem que fosse de vez em quando.
Ele me disse que casou achando que este problema do fetiche com pés seria resolvido, mas não conseguiu e parece que o problema só aumentou.
Me pediu um tempo e que voltássemos a conversar sobre isso só na próxima semana.
Quando percebi que aquela conversa não ia levar a lugar nenhum, aceitei e fomos nos deitar. Assistimos televisão e fomos dormir. Nesta noite, como há meses não acontecia, ele dormiu se encostando em mim a noite toda, parecendo buscar segurança e carinho.

Essa foi mais uma noite em que dormi muito pouco e acordei fingindo normalidade.
Estava estampado em nossos rostos, quando saímos para o trabalho, que ambos sofriam com a situação: Ele, constrangido e eu com a sensação de estar casada com um bissexual.
No trânsito até o trabalho, chorei muito ao ouvir e cantar a música 'Entra na minha casa...entra na minha vida...mexe com minha estrutura...sara todas as feridas...me ensina a ter santidade...quero amar somente a Ti...porque o Senhor é o meu bem maior...faça um milagre em mim...'.

Meu Deus! Se contasse isso a minha mãe, ela jamais acreditaria.
Tenho certeza de que todos, com a visão de que o Cláudio é tão moralista e sério, nunca imaginariam que estávamos passando por este problema.
Estou triste. Muito triste. Às vezes até penso que uma traição não doeria tanto.
Pela manhã, enquanto eu me arrumava para o trabalho e o Cláudio ainda dormia, fiquei olhando para ele e pensando: 'Será mesmo, meu Deus? ‘
Chorei ao ver meus filhos dormindo.


Cara J., (Psicologa)

A sua é uma situação insólita, onde o equilíbrio foi rompido, o que pode trazer muita tristeza mas onde há um espaço para o diálogo e para o entendimento.

Talvez seu marido sinta somente um fetiche por pés. Em psicologia o fetichismo é uma parafilia. O objecto do fetiche é a representação simbólica de penetração, tem conotação sexual, é um objecto parcial e não representa quem está por trás do objecto. Os fetiches mais comuns na sociedade ocidental são os pés, os sapatos e a roupa íntima. Fantasias fetichistas são comuns, mas não chegam a ser um transtorno a não ser que levem a rituais que sejam tão compulsórios ou inaceitáveis a ponto de interferir com relação sexual e causar angústia no indivíduo. É importante frisar que os fetichistas são pessoas que não causam mal a ninguém e muitas vezes o fetiche pode ser considerado somente uma ''preferência sexual''.

O problema é quando essa é a única forma de prazer ou quando se trata de uma obsessão.
Fale com ele, tente perceber se há algo mais quanto à preferências sexuais e como podem melhor se entender juntos. Procurem uma psicóloga sexual para vos orientar a encontrar um equilíbrio saudável e novas soluções para o vosso relacionamento. Invistam sempre em primeiro lugar na relação e na vossa família.

Confie em si própria e no seu amor por ele.

Um abraço
Mariagrazia"

4 comentários:

  1. Sou comedor sp . Moreno claro . 170 alt . 65 kg . 21 anos . Algum corno entereçado entrar em contato whatsapp ou email ..

    Gostosiin.sp@gmail.com .

    11 98148-9196

    ResponderExcluir
  2. Cade os cornos do rio que querem ver a puta na vara me liguem soy dotado vara grande e grossa wsap 21998470231

    ResponderExcluir
  3. Cade os cornos do rio que querem ver a puta na vara me liguem soy dotado vara grande e grossa wsap 21998470231

    ResponderExcluir
  4. Sou comedor sp . Moreno claro . 170 alt . 65 kg . 21 anos . Algum corno entereçado entrar em contato whatsapp ou email ..

    Gostosiin.sp@gmail.com

    11 98148-9196

    ResponderExcluir